Buscar
  • jornaltpadm

Reforma da Previdência e PGVE são assuntos debatidos em reunião da ACIBr

Encontro contou com a participação do deputado estadual Bruno Souza e do presidente da Fundação Empreender, Dr. Jonny Zulauf

A Associação Empresarial de Brusque (ACIBr) reuniu sua diretoria executiva e também coordenadores e vice-coordenadores de Núcleos Setoriais na tarde de segunda-feira, 12 de julho, momento em que recebeu a visita do presidente da Fundação Empreender, Dr. Jonny Zulauf e do consultor do Programa de Gestão e Vivência Empresarial (PGVE), Ernesto Berkenbrock; além de contar com a participação online do deputado estadual, Bruno Souza.

Na oportunidade, o deputado fez uma explanação sobre o projeto de Reforma da Previdência dos servidores públicos estaduais. A medida tem como objetivo preservar a capacidade de pagamento das aposentadorias atuais e futuras e garantir a continuidade de investimento do Estado para atender a toda população. A proposta catarinense foi entregue oficialmente à Assembleia Legislativa no dia 28 de junho e segue os mesmos parâmetros da reforma apresentada pelo Governo Federal e promulgada pelo Congresso em novembro de 2019 (Emenda Constitucional 103/19). O texto inclui adequações na idade mínima para aposentadoria, tempo de contribuição, alíquotas, limite de isenção, cálculos do benefício da aposentadoria e da pensão e regra de transição. São dois projetos, uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) e um Projeto de Lei Complementar (PLC). “Parabenizo a entidade pelo interesse, já que nem todos entendem a relevância do que está sendo discutido. A previdência é a maior despesa no Estado e compromete 30% do orçamento. A cada R$ 1,00 pago em ICMS, R$ 0,48 são os custos da previdência. Desta forma, como a previdência cresce mais do que a receita, ela vai tomando recursos das áreas de saúde, educação, infraestrutura. A despesa é socializada e quem paga é o cidadão”, ressaltou Souza.

A presidente da ACIBr, Rita Cassia Conti, agradeceu a participação do deputado, reforçando a todos os diretores a importância de se aprofundarem no tema, que já vem sendo discutido nas federações, como a Facisc e Fiesc.

O segundo momento da reunião foi voltado à presença do presidente da Fundação Empreender, Dr. Jonny Zulauf e do consultor do Programa de Gestão e Vivência Empresarial (PGVE), Ernesto Berkenbrock. Dr. Jonny prestou uma homenagem à ACIBr na ocasião, visto que a entidade foi uma das precursoras da Fundação Empreender, isto há mais de três décadas.

“Há 30 anos, quando recebemos os primeiros consultores, vindos da Câmara de Artes e Ofícios de Munique e Alta Baviera (HWK - Alemanha), eles buscaram associações dispostas a iniciar o projeto de Núcleos Setoriais. E Brusque foi a primeira cidade a aceitar a proposta, junto com Blumenau e Joinville. Hoje, o pulmão das Associações Empresariais são os Núcleos, esta base que criou uma sinergia fantástica de troca e de melhoramento de relações entre os associados Estou aqui para homenagear o empreendedor brusquense e também a ACIBr, por manter esta dinâmica de capacitação, treinamento e motivação do empresário na qualificação. Isso é extremamente positivo. É uma cidade que nos orgulha em Santa Catarina, falo isso com conhecimento de causa, pois pela Facisc andamos por todo Estado e invariavelmente temos algumas cidade que brilham mais e Brusque é uma delas”, recordou o presidente.

Segundo ele, a Fundação Empreender tem o objetivo de apresentar programas e metodologias sustentáveis para as Associações Empresariais vinculadas ao sistema Facisc, dentro do conceito de universidade corporativa. O Programa de Gestão e Vivência Empresarial (PGVE) faz parte deste projeto, que engloba também programas de estágio e uma formação recente de sucessão empresarial. Há programas para o desenvolvimento local, para a internacionalização das empresas associadas e para a capacitação das ACIs. O consultor do PGVE, Ernesto Berkenbrock, falou mais sobre o programa, que já formou duas turmas em Brusque. “O objetivo é capacitar as empresas associadas na área de gestão, pois uma pesquisa de mestrado identificou que 60% dos negócios morrem pela falta de conhecimento em administração. Através do PGVE oportunizamos uma capacitação de alto nível, com foco no resultado e na qual os participantes não precisam ter uma graduação para acessar o conteúdo de MBA. Não temos provas e nem Trabalho de Conclusão de Curso. A metodologia é discutir vivências empresariais”, conta o consultor.

O PGVE é formado por oito módulos de 12 horas, trazendo temas como liderança e metas, gestão de pessoas, gestão financeira, inovação, sustentabilidade, entre outros. O corpo docente é formado por professores com conhecimento e vivência empresarial. Cada turma tem cerca de 50 participantes e o certificado é emitido mediante a presença em 75% do curso. Todos os módulos são avaliados pelos participantes e a nota recebida sempre se mantém acima de 9. Ao todo, mais de 2500 pessoas já passaram pelo PGVE.

A presidente Rita elogiou a iniciativa e garantiu que, dentro do planejamento da entidade, a intenção é formar novas turmas, já que a repercussão foi bastante positiva. “A Fundação Empreender sempre incentivou e incentiva as Associações Empresariais. E o PGVE é um programa importantíssimo para o empreendedor, queremos abrir uma nova turma, possivelmente ainda este ano, se a pandemia nos permitir, ou no início de 2022”, garantiu a empresária, que agradeceu aos convidados pela explanação e os presenteou com uma cuca vinda do Festival Nacional da Cuca e com uma toalha, da marca coletiva Vale das Toalhas. Os dois projetos foram fomentados em parceria com a Fundação Empreender.

Fonte: Ideia Comunicação



2 visualizações0 comentário